Entrevista de Norberto Keppe a Richard Jones* sobre o método terapêutico utilizado no Trilogy Institute.

“É mais importante perceber que a educação não se dá tanto no nível intelectual, mas sim nos chamados níveis mais profundos da personalidade (sentimentos, sensações e instintos)”, diz Keppe nesta entrevista a respeito do método de ensino-terapia que ele criou.

rich-entrevista-dr-keppeRichard: O que inclui um verdadeiro processo de aprendizado, especialmente para se aprender uma língua?

Keppe: O mais importante no processo de ensino é a terapia. Eu acho até que se o ser humano não for educado através de um processo de terapia, ele não consegue mudar a conduta. Porque quando se fala em educação, pedagogia, seja até mesmo na família, não só nas escolas, é um processo através do qual o indivíduo não vai aprender só, mas ele vai conseguir melhorar na conduta, vai ter uma conduta razoável. Então, os alunos de nossa escola também conseguem se desenvolver na área profissional, na competência emocional e até se curar de doenças psicossomáticas. No ensino de línguas, em nossa escola, por exemplo, nossos professores usam textos de Trilogia Analítica, usam vídeos, arte, estética, cultura, para conseguir tratar a parte emocional, usando o método terapêutico. Então com isso nós conseguimos trabalhar com alunos que têm bloqueios, problemas de perfeccionismo, alunos que pensam de imediato que não irão conseguir aprender, então com essa aplicação da ciência trilógica no ensino de línguas, a gente consegue trabalhar com esses tipos de problemas. Aí os alunos vão com muito mais rapidez no aprendizado.

Richard: Como é realizado o processo de autoconhecimento?

Keppe: Através dos textos, os alunos conseguem praticamente conscientizar, se interiorizar de dificuldades que eles têm na vida cotidiana. E muitas vezes essas dificuldades são as bases de bloqueios que o aluno pode ter no aprendizado do idioma. Então ao mesmo tempo que o aluno aprende uma outra língua, ele começa a se conhecer melhor. Então o aluno passando por esse estudo e analisando e conscientizando, ele pode penetrar e ter contato com essa parte interior que ele tem, que é fantástica. E com isso ele tem o aprendizado no geral. Ele entra na língua e aprende de verdade.

Richard: Este método pode ser aplicado em todo o tipo de ensino?

Keppe: Sim, esse método não é apenas para o setor de línguas. As universidades, até o curso primário, secundário, deviam usar esse método com o tempo, porque eu acredito que a pessoa pode aprender muito mais rápido, de maneira que iria dar uma facilidade muito grande para o indivíduo se desenvolver e principalmente aparecer mais os indivíduos capazes, de mais inteligência, que poderiam ajudar mais a sociedade.

Richard: Por que o senhor deu o nome de método terapêutico trilógico ao seu método?

Keppe: Uma verdadeira ciência deve estar de acordo com uma real filosofia e esta, por sua vez, em conformidade com uma autêntica metafísica (teodicéia); a este fenômeno chamamos de Trilogia. Posso afirmar que a ciência trilógica tem condições para entende melhor a verdade, porque ela trata apenas de experimentar o que existe, comparando, dialetizando o fato com a hipótese e principalmente sanando os empecilhos que o ser humano colocou entre ele e a realidade. Então, a nossa escola segue o processo de terapia, quer dizer, quando a pessoa vem estudar na nossa escola, já o intuito do método leva o indivíduo dentro da estrutura correta, que é a mais adequada, e assim, o indivíduo se normaliza, mesmo que não tenha a intenção de fazer terapia. Por isso chamamos de “Escola Terapêutica”, porque se o indivíduo começa a pensar e sentir o que é certo, o que é belo, bom e verdadeiro, automaticamente ele se torna são.

* Professor canadense do Trilogy Institute